ESTUDOS DE HISTÓRIA. Click Δ para acessar Subpáginas.

PROF. DR. DARCY CARVALHO. SÃO PAULO, SP, BRAZIL [10/02/2014]
Contents: 01, 02, 03

01

ARNOLD TOYNBEE

ARNOLD TOYNBEE .  ANTECIPOU  O RESSURGIMENTO DO ISLAMISMO E A ECLOSÃO DA SOCIEDADE PÓS-MODERNA . SUA OBRA MONUMENTAL "UM ESTUDO DA HISTÓRIA" FOI REVISTA  PARA A FOLHA POR PETER BURKE ,  HISTORIADOR INGLÊS:  CITO.

FILOSOFIAS DA HISTÓRIA

Há 50 anos, o historiador britânico Arnold Toynbee (1889-1975) estava no auge da fama. Ele acabara de publicar os últimos volumes de seu "Um Estudo da História" [ed. Martins Fontes], uma magnífica interpretação daquilo que considerava o mais memorável no passado da humanidade. Seu rosto apareceu na capa da revista "Time" e ele foi convidado para dar palestras pelos Estados Unidos.

No Japão, foi recebido por Daisaku Ikeda, presidente da seita religiosa Soka Gakkai, e apresentado como um sábio cujas idéias ofereciam uma alternativa ao marxismo. Os britânicos eram mais cautelosos, mas Toynbee foi convidado pela rainha para um jantar (que ele recusou). Também ministrou as renomadas palestras Reith no rádio, em 1952, sobre "O Mundo e o Ocidente".

 A comunidade acadêmica internacional também levou Toynbee a sério, especialmente nos anos 50. Ele foi minuciosamente estudado por intelectuais tão variados e tão eminentes em suas diferentes disciplinas quanto o filósofo espanhol José Ortega y Gasset (que fez uma série de palestras sobre o ponto de vista de Toynbee em relação à história), o historiador holandês Peter Geyl, o sociólogo americano Robert Merton e o geógrafo australiano Oskar Spate.

A guerra e o nacionalismo

 Toynbee veio da classe alta britânica. Estudou em uma das melhores escolas públicas do país, a Winchester, e depois estudou clássicos no Balliol College, em Oxford. Logo depois de se formar, foi designado para ensinar história em sua antiga faculdade. Não combateu na Primeira Guerra Mundial, mas sua visão de mundo foi transformada pelo conflito. A guerra o fez se tornar um opositor convicto do nacionalismo, acreditando que a crise havia tornado "impossível para nós [em outras palavras, os ocidentais] não darmos valor à nossa própria civilização".

Ele abandonou o ensino de história antiga para assumir um cargo no Royal Institute of International Affairs, em Londres, onde ficou de 1924 até se aposentar, em 1955, produzindo pesquisas anuais sobre a situação do mundo. Foi no final da guerra de 1914-18 que Toynbee concebeu a idéia de uma reinterpretação da história da humanidade. Da mesma forma como a experiência da Guerra do Peloponeso transformara Tucídides em um historiador grego, fazendo-o perceber que Atenas não era o centro do universo, a Primeira Guerra fez de Toynbee um historiador mundial. Uma palestra ministrada por ele em 1920 sobre "A Tragédia da Grécia" foi ao mesmo tempo uma defesa do estudo da história da Grécia Antiga e um manifesto para um estudo comparativo do que ele chamou de o enredo básico da "tragédia da civilização". Nessa época, ele já tinha consciência da importância política do ressurgimento do islamismo.

"Workaholic" .  Toynbee era o exemplo clássico de um viciado em trabalho -"Um Estudo da História" foi escrito nas horas vagas em meio às suas pesquisas anuais de assuntos internacionais. O livro levou um quarto de século para ser escrito, totalizando 12 volumes e mais de 6.000 páginas. O livro tratava de 21 "civilizações" diferentes como as verdadeiras protagonistas da história, examinando suas origens como respostas aos "desafios" de seu meio, seu "crescimento" e, sobretudo, suas crises e declínios, em que a guerra e a ascensão de um proletariado (incluindo o que Toynbee chamou de um proletariado "externo", como os bárbaros que invadiram o Império Romano) tinham um papel decisivo. Instituições tais como os Estados universais e as igrejas permitiam que as civilizações "se reerguessem", às vezes mais de uma vez, mas não podiam evitar uma "dissolução final".

 Em outras palavras, a história caminha em ciclos, não em uma linha reta. Essas generalizações foram baseadas em uma série de exemplos vívidos extraídos da leitura histórica incrivelmente ampla de Toynbee, sem falar do uso que fazia de diversos geógrafos, antropólogos, sociólogos e psicólogos (notadamente Carl Gustav Jung). Apesar de ter feito uso de mentores especializados no mundo islâmico e na China, as conclusões de Arnold Toynbee foram, em grande parte, de autoria própria.

 O paralelo entre essa magnífica interpretação da história e "O Declínio do Ocidente", de Oswald Spengler (um livro que Toynbee leu em 1920 seguindo a recomendação de seu amigo de Balliol, Lewis Namier, um polonês que se tornou uma das maiores autoridades sobre a história da Inglaterra do século 18), é bastante óbvio.

Toynbee admirava o que chamava de os "lampejos de vaga-lume de discernimento histórico" de Spengler, uma frase que é igualmente aplicável a seu próprio trabalho. No entanto reagiu contra o que chamou de "o método a priori alemão" de "O Declínio do Ocidente", em contraste com seu próprio "empirismo britânico", como ele o chamava. Apesar de se apropriar do conceito de proletariado, Toynbee era tão indiferente ao marxismo quanto à abordagem de Spengler em relação ao passado. Ele rejeitava as visões de progresso e evolução social que haviam virtualmente sido desprezadas pela geração anterior.

Mecanismo e vida.  Se algum filósofo prevalece em "Um Estudo da História", é provavelmente Henri Bergson, cujas idéias foram apresentadas a Toynbee por um outro amigo de faculdade antes da guerra. Referências ao élan vital das civilizações e ao contraste entre o mecanismo e a vida se repetem na obra de Toynbee, mostrando que ele levava Bergson muito a sério.

 Mais fundamental ao pensamento de Toynbee do que Bergson, Spengler ou Jung, no entanto, foram os autores clássicos, com os quais ele havia se familiarizado desde a juventude. Durante a guerra, ele havia sido "perseguido", como explicou mais tarde, por paralelos entre a Grécia Antiga e o Ocidente moderno. Sua interpretação da história do mundo se baseava firmemente em paradigmas clássicos. À medida que o livro prossegue, o esquema fundamental permanece o mesmo, mas os pontos de vista do autor mudam em um aspecto importante. Toynbee tornou-se cada vez mais religioso e acabou fazendo do progresso espiritual a exceção às suas "leis" cíclicas da história. Estivera há muito tempo fascinado por aquilo que foi um dos primeiros a chamar de "encontros" entre civilizações, a importância das diásporas e a natureza da "recepção" cultural. Dedicou dois tomos da volumosa obra "Um Estudo da História" ao que chamou de "contatos entre civilizações", "culturas em conflito" ou a "difração" dos "raios culturais". Passou a se interessar por uma espécie de sincretismo religioso. Gravou uma experiência mística na National Gallery de Londres, em 1951, que o levou a fazer preces conjuntas a Buda, Maomé, Ashoka, Mo-Ti, e "Cristo Tamuz, Cristo Adonis, Cristo Osiris", chocando alguns de seus leitores britânicos, mas agradando aos japoneses.

Toynbee tornou-se cada vez mais religioso e acabou fazendo do progresso espiritual a exceção às suas "leis" cíclicas da história.  Depois da década de 50, Toynbee desenvolveu novos interesses, sobre o modelo que foi um dos pioneiros a chamar de mundo "pós-moderno", por exemplo, e na relação das cidades com o seu meio, o que seu amigo, o arquiteto grego Constantinos Doxiadis, denominou "ekística".

Apesar desses sinais de juventude intelectual aos 67 anos, a reputação de Toynbee começou a esvaecer. Os críticos de seus livros perderam a timidez e se tornaram cada vez mais reprovadores. Ele foi criticado por ser indevidamente esquemático (como de fato era), por dar demasiada ênfase às delimitações entre civilizações, por deixar de absorver as idéias de sociólogos históricos, como Max Weber e Vilfredo Pareto, e por praticamente ignorar o lugar da ciência natural na civilização ("uma grande lacuna", como o próprio Toynbee admitiu).

 Fascinado pela Ásia, tinha relativamente pouco a dizer sobre a África ou as Américas, do Norte ou do Sul, apesar de acreditar que o Brasil estava destinado a um grande futuro. De fato, Toynbee só viajou para a América do Sul depois de terminar o seu "Um Estudo da História". Fez uma visita a Gilberto Freyre, com quem tinha muito em comum, mas o encontro não foi proveitoso.

 Atualmente, poucas pessoas lêem os volumes maciços de Toynbee ou até mesmo os livros curtos mais acessíveis, como "O Mundo e o Ocidente", no qual o autor expressa suas idéias essenciais. Mesmo assim, ele merece um lugar na história intelectual do século 20, ao lado de Fernand Braudel, como um dos intelectuais ocidentais com uma visão global, que fez o máximo para tornar os habitantes de seu país cientes da cultura e história do resto do mundo.

 Paradoxalmente, os estudos obsoletos de Toynbee em história pré-nacional e em história da Grécia e Roma antigas tornaram mais fácil para ele do que para muito outros entender o que pode ser chamado de história pós-nacional de seu próprio tempo.

 No século 21, há sinais de um interesse renovado pela interpretação da história de Toynbee, notadamente pela Rússia, onde essas idéias ajudam a preencher o vácuo filosófico que se seguiu ao esmorecimento do marxismo. Suas idéias sobre o ressurgimento do islamismo, sobre a sociedade pós-moderna e sobre o ambiente parecem mais atuais hoje do que quando as apresentou pela primeira vez, entre as décadas de 20 de 50. Se a história intelectual se move em ciclos, como Toynbee acreditava, a vez dele pode estar chegando novamente.

Peter Burke é historiador inglês, autor de "Uma História Social do Conhecimento" (Jorge Zahar Editor) e "O Renascimento Italiano" (ed. Nova Alexandria). Escreve regularmente na seção "Autores", do Mais!.  Tradução de Leslie Benzakein.  FINIS CITATIONIS.

SOURCE: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/mais/fs0911200310.htm