13.3 Sintaxe dos Casos. Dativo

SINTAXE DOS CASOS LATINOS. DATIVO. PROF. DR. DARCY CARVALHO, SÃO PAULO, SP, BRASIL

Contents : 01, 02 , 03

01

THE SYNTAX OF THE DATIVE ACCORDING TO BENNETT

Paragraphs 186- 192 from A New Latin Grammar by Charles Bennett. The Gutenberg Project


186. The Dative case, in general, expresses relations which are designated in English by the prepositions to and for.

Dative of Indirect Object.

187. The commonest use of the Dative is to denote the person to whom something is given, said, or done. Thus:—

I. With transitive verbs in connection with the Accusative; as,—

hanc pecūniam mihi dat, he gives me this money;

haec nōbīs dīxit, he said this to us.

a. Some verbs which take this construction (particularly dōnō and circumdō) admit also the Accusative of the person along with the Ablative of the thing. Thus:—

Either Themistoclī mūnera dōnāvit, he presented gifts to Themistocles, or

Themistoclem mūneribus dōnāvit, he presented Themistocles with gifts;

urbī mūrōs circumdat, he builds walls around the city, or

urbem mūrīs circumdat, he surrounds the city with walls

II. With many intransitive verbs; as,—

nūllī labōrī cēdit, he yields to no labor.

a. Here belong many verbs signifying favor,[48] help, injure, please, displease, trust, distrust, command, obey, serve, resist, indulge, spare, pardon, envy, threaten, be angry, believe, persuade, and the like; as,—

Caesar populāribus favet, Caesar favors (i.e. is favorable to) the popular party;

amīcīs cōnfīdō, I trust (to) my friends;

Orgetorīx Helvētiīs persuāsit, Orgetorix persuaded (made it acceptable to) the Helvetians;

bonīs nocet quī malīs parcit, he injures (does harm to) the good, who spares the bad.

NOTE.—It is to be borne in mind that these verbs do not take the Dative by virtue of their apparent English equivalence, but simply because they are intransitive, and adapted to an indirect object. Some verbs of the same apparent English equivalence are transitive and govern the Accusative; as, juvō, laedō, dēlectō. Thus: audentēs deus juvat, God helps the bold; nēminem laesit he injured no one.

b. Verbs of this class are used in the passive only impersonally; as,—

tibi parcitur, you are spared;

mihi persuādētur, I am being persuaded;

eī invidētur, he is envied.

c. Some of the foregoing verbs admit also a Direct Object in connection with the Dative; as,—

mihi mortem minitātur, he threatens me with death (threatens death to me).

III. With many verbs compounded with the prepositions: ad, ante, circum, com,[49] in, inter, ob, post, prae, prō, sub, super.

These verbs fall into two main classes,—

1. Many simple verbs which cannot take a Dative of the indirect object become capable of doing so when compounded with a preposition; as,—

afflīctīs succurrit, he helps the aflicted;

exercituī praefuit, he was in command of the army;

intersum cōnsiliīs, I share in the deliberations.

2. Many transitive verbs which take only a direct object become capable, when compounded, of taking a dative also as indirect object; as,—

pecūniae pudōrem antepōnit, he puts honor before money;

inicere spem amīcīs, to inspire hope in one's friends;

mūnītiōni Labiēnum praefēcit, he put Labienus in charge of the fortifications.

Dative of Reference.

188. 1. The Dative of Reference denotes the person to whom a statement refers, of whom it is true, or to whom it is of interest; as,—

mihi ante oculōs versāris, you hover before my eyes (lit. hover before the eyes to me);

illī sevēritās amōrem nōn dēminuit, in his case severity did not diminish love (lit. to him severity did not diminish);

interclūdere inimīcīs commeātum, to cut of the supplies of the enemy.

a. Note the phrase alicui interdīcere aquā et īgnī, to interdict one from fire and water.

NOTE.—The Dative of Reference, unlike the Dative of Indirect Object, does not modify the verb, but rather the sentence as a whole. It is often used where, according to the English idiom, we should expect a Genitive; so in the first and third of the above examples.

2. Special varieties of the Dative of Reference are—

a) Dative of the Local Standpoint. This is regularly a participle; as,—

oppidum prīmum Thessaliae venientibus ab Ēpīrō, the first town of Thessaly as you come from Epirus (lit. to those coming from Epirus).

b) Ethical Dative. This name is given to those Dative constructions of the personal pronouns in which the connection of the Dative with the rest of the sentence is of the very slightest sort; as,—

tū mihi istīus audāciam dēfendis? tell me, do you defend that man's audacity?

quid mihi Celsus agit? what is my Celsus doing?

c) Dative of Person Judging; as,—

erit ille mihi semper deus, he will always be a god to me (i.e. in my opinion);

quae ista servitūs tam clāro hominī, how can that be slavery to so illustrious a man (i.e. to his mind)!

d) Dative of Separation. Some verbs of taking away, especially compounds of ab, , ex, ad, govern a Dative of the person, less often of the thing; as,—

honōrem dētrāxērunt hominī, they took away the honor from the man;

Caesar rēgī tetrarchiam ēripuit, Caesar took the tetrarchy away from the king;

silicī scintillam excūdit, he struck a spark from the flint.

Dative of Agency.

189. The Dative is used to denote agency

1. Regularly with the Gerundive; as,—

haec nōbīs agenda sunt, these things must be done by us;

mihi eundum est, I must go (lit. it must be gone by me).

a. To avoid ambiguity, ā with the Ablative is sometimes used with the Gerundive; as,—

hostibus ā nōbīs parcendum est, the enemy must be spared by us.

2. Much less frequently with the compound tenses of the passive voice and the perfect passive participle; as,—

disputātiō quae mihi nūper habita est, the discussion which was recently conducted by me.

3. Rarely with the uncompounded tenses of the passive; as,—

honesta bonīs virīs quaeruntur, noble ends are sought by good men.

Dative of Possession.

190. The Dative of Possession occurs with the verb esse in such expressions as:—

mihi est liber, I have a book;

mihi nōmen est Mārcus, I have the name Marcus.

1. But with nōmen est the name is more commonly attracted into the Dative; as, mihi Mārcō nōmen est.

Dative of Purpose or Tendency.

191. The Dative of Purpose or Tendency designates the end toward which an action is directed or the direction in which it tends. It is used—

1. Unaccompanied by another Dative; as,—

castrīs locum dēligere, to choose a place for a camp;

legiōnēs praesidiō relinquere, to leave the legions as a guard (lit. for a guard);

receptuī canere, to sound the signal for a retreat.

2. Much more frequently in connection with another Dative of the person:—

a) Especially with some form of esse; as,—

fortūnae tuae mihi cūrae sunt, your fortunes are a care to me (lit. for a care);

quibus sunt odiō, to whom they are an object of hatred;

cui bonō? to whom is it of advantage?

b) With other verbs; as,—

hōs tibi mūnerī mīsit, he has sent these to you for a present;

Pausaniās Atticīs vēnit auxiliō, Pausanias came to the aid of the Athenians (lit. to the Athenians for aid).

3. In connection with the Gerundive; as,—

decemvirī lēgibus scrībundīs, decemvirs for codifying the laws;

mē gerendō bellō ducem creāvēre, me they have made leader for carrying on the war.

NOTE.—This construction with the gerundive is not common till Livy.

Dative with Adjectives.

192. The use of the Dative with Adjectives corresponds very closely to its use with verbs. Thus:—

1. Corresponding to the Dative of Indirect Object it occurs with adjectives signifying: friendly, unfriendly, similar, dissimilar, equal, near, related to, etc.; as,—

mihi inimīcus, hostile to me;

sunt proximī Germānis, they are next to the Germans;

noxiae poena pār estō, let the penalty be equal to the damage.

a. For propior and proximus with the Accusative, see § 141, 3.

2. Corresponding to the Dative of Purpose, the Dative occurs with adjectives signifying: suitable, adapted, fit; as,—

castrīs idōneus locus, a place fit for a camp;

apta diēs sacrificiō, a day suitable for a sacrifice.

NOTE.—Adjectives of this last class often take the Accusative with ad.

Dative of Direction.

193. In the poets the Dative is occasionally used to denote the direction of motion; as,—

it clāmor caelō, the shout goes heavenward;

cinerēs rīvō fluentī jace, cast the ashes toward a flowing stream.

1. By an extension of this construction the poets sometimes use the Dative to denote the limit of motion; as,—

dum Latiō deōs īnferret, till he should bring his gods to Latium.

02

CAPÍTULO IV. SINTAXE DO DATIVO SEGUNDO MENDES DE AGUIAR

DATIVO 270. OBJETO INDIRETO. - O dativo, designando o fim, a direção, a utilidade do que enuncia o predicado, com relação a uma pessoa ou coisa, exerce a função de objeto indireto. Ex.: Do vestem pauperi, dou um vestido ao pobre. Invidet mihi, tem-me ódio.

271. DATIVO DE INTERESSE. - O dativo exprime a noção fundamental de interesse, depois de qualquer verbo, adjetivo e particípio, quer o interesse se reflita em pessoas, quer em nomes abstratos, ou concretos. Ex.: Sibi soli vivere, viver só para si. Domus pulchra dominis aedificatur non muribus ; uma casa bonita constrói-se para os donos, não para os ratos. Non solum nobis divites esse volumus ; nem só para nós queremos ser ricos. - A esa regra se prende o dativo de proveito e vice-versa, depois dos verbos prosum, obsum, noceo, conducit, expedit e, raramente, incommodo.

272. DATIVO DE FAVOR OU REPULSÃO. - Pedem-no os verbos: faveo, cupio, suffragor, gratificor, gratulor, studeo, indulgeo, parco, adversor, invideo, insidior, irascor, maledico, minor, doleo, e outros muitos. Ex.: Parce sepultis, perdoa aos mortos.

273. DATIVO DE SOCORRO, SOLICITUDE. - Pedem-no os verbos: auxilior, opitulor, consulo, succurro, prospicio, medeor, etc. Ex.: Succurre relictis, socorre aos abandonados.

274. DATIVO DE AGRADO OU DESAGRADO. - Pedem-no os verbos: auxilior, opitulor, consulo, succurro, prospicio, medeor, etc. Ex.: Si tibi placet, se te apraz.

275.Há mais com dativo os verbos que exprimem confiança: credo, fido, acontecimento: accidit, contingit, evenit, aproximação: propinquo, appropinquo, carência: desum. E ainda: nubo, supplico, videor, e a expressão obviam ire, finalmente, todos os que significam vantagem ou desvantagem. Ex.: Mihi crede, crê-me.

276. Os verbos compostos das preposições ad, ante, circum, cum, de, ex, in, inter, ob, post, prae, sub, ou super, têm comumente o objeto indireto no dativo. Ex.: Inferre vim alicui, fazer violência a alguém. Qui, si huic oneri novum accesserit? ; que acontecerá, se a esta acrescer nova carga? Demere alicui solicitudinem ; tirar alguém de inquietações.

277. Mas, quando estes verbos, transitivos ou intransitivos, indicam nitidamente o movimento, a direção para um lugar ou para um objeto, pedem antes acusativo com preposição ad ou in. - Constroem-se geralmente com a preposição de que são compostos, desde que sejam tomados no sentido próprio, e com dativo, quando tomados no sentido figurado. Ex.: Adesse amicis, prestar auxílio aos amigos. Adesse ad judicium, assistir a um julgamento. Injicere se in hostes, arremessar-se contra os inimigos. Injicere terrore alicui, causar terror a alguém.

278. Diz-se: Mitto epistulam, scribo alicui ou ad aliquem; se ad philosophiam ou philosophiae applicare. Aliquid oculis ou sub oculos subjicere.

279. Os compostos de cum preferem construir-se com esta preposição. Ex.: Rem aliquam cum altera comparare, conferre, comparar uma coisa com outra.

280. DATIVO COM AS FORMAS PASSIVAS. - Depois do adjetivo verbal em -ndus, significando obrigação, dever, emprega-se o dativo, em vez do ablativo com ab, desde que não haja perigo de ambiguidade, com certos verbos que já de si pedem dativo. Ex.: Mihi colenda est virtus, a virtude deve ser praticada por mim. Magna diis immortalibus habenda est gratia ; devemos render muitas graças aos deuses imortais.

281. Usa-se também este dativo com tempos compostos do particípio do pretérito, e ainda com os verbos probo, approbo, videor. Ex.: Nobis est expositum ; foi por nós exposto. Mihi consilium captum jam diu est ; há muito já que tomei uma deliberação. Probatur mihi tuum consilium, aprovo a tua deliberação. Malum non mihi videtur esse mors ; não me parece que a morte seja um mal.

282. DATIVO DE RELAÇÃO. - Coloca-se no dativo a palavra que designa relação com uma pessoa, referência a uma coisa. Ex.: Quid mihi futurum sit? que há de ser de mim? Quis huic rei testis est?; quem dá testemunho disto?

283. Semelhante a este é o dativo que bons autores chamam absoluto, imitado do grego, e que também indica referência. Ex.: Quod est oppidum primum Thessaliae venientibus ab Epiro ; que é a primeira cidade da Tessália, para quem vem do Épiro.

284. DATIVO DE POSSE. - A construção com dativo é a maneira mais comum de designar a relação de posse entre uma coisa e seu detentor. Ex.: Est mihi domus, existe para mim uma casa, ou, tenho uma casa. Sunt nobis mitia poma ; temos frutas maduras.

285. DUPLO DATIVO. - Freqüente com o verbo sum; é um idiotismo da língua, a que uns chamam dativo de finalidade, outros de função predicativa. Ex.: Hoc est mihi utilitati, isto me é de utilidade, para utilidade, isto me é útil.

NOTA. - Pela frase se poderá julgar qual destas duas funções lhe cabe melhor; p. ex.: quae tibi usioni superarunt, o que te sobejar para uso; nesta frase de Cícero há evidentemente finalidade. Mas nesta outra: tua pietas plane nobis auxilio fuit, também do mesmo autor, paece haver antes uma espécie de predicativo de objeto indireto. Construção idêntica, pelo caso e pela função, ocorre com o verbo impessoal licet: iis esse liberis non licet ; não lhes é permitido serem livres; licuit esse otioso ; foi-lhe permitido estar ocioso. - Este duplo dativo emprega-se também com os verbos do, verto e tribuo; p. ex.: hoc mihi tribuit vitio, levou-me isto à conta de vício.

286. DATIVO PREDICATIVO. - Emprega-se com as palavras nomen e cognomen, acompanhadas dos verbos sum, do, addo, indo, dico, maneo. Ex.: Puero, ab inopia, Egerio inditum nomen (T.L.); pela falta de tudo, foi dado ao menino o nome de Egério.

NOTA. - Pode-se usar a construção comum à função predicativa, e ainda o genitivo; e dir-se-á Est mihi nomen Paulo, Paulus ou Pauli.

287. DATIVO DE DESTINO. - É freqüente este dativo, equivalente à preposição para, designando o fim ou uso a que se destina qualquer coisa. Ex.: Capere aliquid pignori, tomar alguma coisa para servir de penhor. Ire auxilio alicui, ir em socorro de alguém.

288. DATIVO DEPOIS DOS ADJETIVOS. - Muitos são os adjetivos que pedem depois de si dativo, tanto por exprimirem relações semelhantes às dos verbos que exigem este caso, como pela tradução literal de uma palavra em dativo. (com as prep. a; para) Ex.: Cunctis esto bonus, sê bom para todos.

289. Estes adjetivos significam geralmente uma relação para com uma pessoa ou coisa, como: amizade, bondade, hostilidade, semelhança, igualdade, vizinhança. Temos assim: affinis, aequalis, utilis, bonus, amicus, inimicus, communis, familiaris, necessarius, par, impar, proprius, similis, vicinus, finitimus, aptus, idoneus, gratus, infestus, propitius, etc.

290. Similis e seus compostos podem construir-se igualmente com genitivo, mesmo tomados na significação de meros adjetivos. Ex.: Similis patri ou patris.

291. Os adjetivos aptus, idoneus, e outros adjetivos ou particípios que designem propriamente uma aptidão para qualquer coisa, constroem-se de ordinário com acusativo, precedido da preposição ad. Ex.: Alcibiades ad omnes res aptus ; Alcibíades era apto para tudo.

OBSERVAÇÕES

1. Quase não fizemos distinção entre verbos transitivos e intransitivos, para o efeito da construção com dativo. Exista ou não objeto direto, a relação indireta, fundamentalmente, é a mesma. Alguns destes verbos são transitivos em português e intransitivos em latim. Haja vista o verbo studeo para o qual chamamos a atenção dos alunos. Studere grammaticae; aplicar-se à gramática, estudar a gramática. 2. Os poetas, imitando a sintaxe grega, constroem com dativo da pessoa ou do objeto os verbos certo, pugno, luctor, combater, e outros, em desacordo com as regras gerais. 3. Como em português, é muito usado em latim o dativo expletivo (dativus ethicus), sobretudo no estilo familiar. Ex.: tu mihi istius audaciam defendis? ; pois defendes-me o atrevimento desse? 4. Os poetas empregam habitualmente o dativo com os verbos na voz passiva: Neque cernitur ulli ; nem é visto por algum. É um helenismo, pois a tanto chegava a influência da literatura grega sobre os escritores de Roma, que a própria sintaxe é adaptada à língua latina. 5. Querem alguns gramáticos, a propósito de similis, urdir hipóteses engenhosas, para distinguir os casos em que deve empregar-se no dativo ou no genitivo. A mais fundamentada é a Chassang que lhe aplica a regra geral de que os adjetivos, empregados como substantivos, pedem o caso limitativo destes, o genitivo. Teríamos pois: similis patri; semelhante ao pai; similis patris, o semelhante do pai; como temos: veritatis amicus, o amigo da verdade. Mas o certo é que a leitura dos autores prova até à evidência que uma e outra construção é usada, ainda nos casos em que similis é puro adjetivo. O próprio Chassang termina por confessar isso mesmo, em uma nota que diz: "Encontram-se, contudo, quase que indiferentemente construídos, com genitivo ou com dativo, os adjetivos similis, dissimilis, affinis." Mas, com os pronomes pessoais, emprega-se sempre o genitivo: similis tui, similis nostri.


Comments