13.4 Sintaxe dos Casos. Ablativo

SINTAXE DOS CASOS LATINOS. SINTAXE DO CASO  ABLATIVO .PROF. DR. DARCY CARVALHO, SÃO PAULO, SP, BRASIL
Contents: 01, 02, 03,
 
01
Bibliografia.

Utilizaremos  na exposição da sintaxe do caso ablativo as gramáticas latinas de Charles Bennet e a de Mendes de Aguiar e Gomes Ribeiro, disponíveis em html na rede, a saber: 

1 New Latin Grammar, Charles E. Bennett,  Chapter II.—Syntax of Nouns. Paragraphs 213-232

The Project Gutenberg EBook of  the New Latin Grammar of Charles Bennett.

2 Mendes de Aguiar e Gomes Ribeiro, Gramática Latina, digitalizada por  Ricardo Ueda Karpischek,     

Desta gramatica existe também versão em pdf em https://archive.org/details/GrammaticaLatinaGomesRibeiroMendesDeAguiar
  
02

O CASO ABLATIVO.

Dentre as terminações latinas as do ablativo são as mais fáceis de memorizar.  O ablativo singular em todas as declinações coincide com  a vogal temática, a, o, e, u, e , que caraterize  a declinação. No plural o ablativo é sempre igual ao dativo e termina em – is,  na primeira e na segunda declinação , e em - bus nas demais, a saber:  –is ou -abus, na primeira;  -is,  na segunda: - ibus, na terceira; - ubus ou –ibus, na quarta; e –ebus, na quinta. Uma palavra em ablativo é facilmente identificada e entendida por falantes neolatinos.

A seguir reproduziremos o estudo de Mendes de Aguiar e Gomes Ribeiro, e acrescentaremos como anexo  os estudos de Bennett, para comparação e pelos  exemplos adicionais do emprego do ablativo. O ablativo é um dos dois casos preposicionais do latim e seu estudo não pode ser feito sem referencia às preposições que o regem ou estão subentendidas nele.

PREPOSIÇÕES EXCLUSIVAS DE ABLATIVO. SYNTAXIS OF THE  ABLATIVE PREPOSITIONS

A, AB, ABS,  from, by, de , por ;  ABSQUE, without, sem ; CORAM,  in the presence of, na presença de;  CUM,  with, com ; DE,  from, concerning, a respeito de, de ;  E, EX,  from out of, de dentro de; PRAE,  before, antes de ;  PRO,  in front of, for, a favor de, para; SINE, without, sem ; TENUS, up to, até.

No system has fully categorized the wide variety of uses of the ablative. The following  system is adopted from Greenough's New Latin Grammar, with borrowings from Hale and Buck's A Latin Grammar and Bradley's revision of Amold’s Latin Prose Composition.


The Ablative case is characterized by three broad uses to indicate: 1) Separation  from;  2) lnstrumentality or means by which, or with which;  3) Locality at or in a place or time.

1)  Separative ablative, ablativus separativus,  is the ablative used with separative prepositions, A, AB (ABS), DE, EX, SINE verbs or adjectives denoting  freedom from  or  want of.

2) The  preposition AB or A   denotes personal agent in the passive voice, from whom or from which the action proceeds: ab elephantis obtriti, trampled by elephants.The ablative of means, always without a preposition, is used to denote the instrument by which an action is performed: Marcus gladio interfectus est.

3) The prepositions AB, A or EX  are used to express the point of or  from which. The prepositions DE OR EX  are used to show  the point, condition or situation from which something proceeds: a tergo, from the rear; a  latere, from the side; ex hoc parte, from  this part; ex vinculis causam dicere, to plead a cause in chains; eri de rhetore consul, to become consul from professor. The preposition EX shows the material of which a thing is made: pocula ex auro, cups  made of gold. The preposition IN  is freely omitted by poets. The ablative is always used with coram, palam, prae, and pro. The original idea was one of separation: coram, in the presence of, pro, in front of, etc.

2. Verbs meaning  keep away from, free from, deprive of, lack of,  etc. take the ablative. The preposition, if used,  is AB, DE, or EX. A preposition is typically used with verbs of literal separation. But if the verb itself contains a separative preposition (ab, de, or ex), the preposition is often omitted: ab urbe procisci, to set out from the city; castris egressi or e castris egressi, going out of the camp. The preposition is regularly omitted with verbs of gurative separation only: magistrato se abdicavit, he abdicated his ofce, literally,  abdicated himself from magistrature; proelio supersedere, to refrain from battle

3. Adjectives of separation denoting freedom from or  want of  take the ablative, with or without AB.  In Cicero, these adjectives are liber, free; purus, pure; nudus, stripped; orbus, bereft; vacuus, empty.  In later poetry and prose, these adjectives may take the genitive, in analogy to adjectives with the objective genitive.

B. Ablative with verbs and adjectives of difference or aversion verbs and adjectives of difference or aversion take the ablative with AB: ab eo dissentio, I disagree with him; abhorret a meis moribus, it is foreign to my ways; alienus may take or omit the preposition: alienum dignitate imperi,  alieno a dignitate imperi. Alienus may also take a genitive or dative. Late writers freely employ the dative with these verbs. Source: The Latin Library. Ablative

  03

O ABLATIVO SEGUNDO  MENDES DE AGUIAR E GOMES RIBEIRO( Gram. Lat, 3ª ed. 1925) . Parágrafos 324- 354

 

324. O ablativo emprega-se, em geral, para designar uma circunstância que serve para completar o predicado, à maneira dos advérbios que deste caso derivam em grande número. Assim é que substituiu o caso instrumental e, em parte, o locativo; com ele se exprimem os adjuntos mais comuns, quais sejam os de tempo,modo, lugar, meio, causa, etc. É o caso típico da procedência, da origem, do afastamento, como o indica a sua própria etimologia (ab e fero). Substitui muitas vezes o genitivo, com certos verbos e adjetivos, regidos da preposição de em português.

 

325. ABLATIVO DE PROCEDÊNCIA. - O nome do ponto de partida vai para o ablativo, com ou sem preposição.

Ex.: Roma profectus, tendo partido de Roma. Ut ab Athenis in Boeotiam irem ; para eu ir de Atenas para a Beócia.

Etruscis manat quae fontibus unda ; a água que mana das fontes etruscas.

 

NOTA. - Tendo nós de tratar dos adjuntos de lugar em capítulo à parte, limitamo-nos aqui a esta idéia geral sobre a circunstância unde.

 

326. ABLATIVO DE ORIGEM. - Para indicar a procedência, o nome dos progenitores coloca-se em ablativo, com ou sem a preposição ex.

Ex.: Deum deo natum ; deus, filho de um deus. (Ex deo).

 

327. Mas, se o antepassado é longínquo, usa-se a preposição a ou ab.

 

Ex.: Quem ait a Deucalione ortum ; que diz ser descendente de Deucalião.

 

328. Com os nomes de cidades suprime-se geralmente a preposição, a não ser quando se quer precisar bem o lugar de origem.

 

Ex.: Cumis erant oriundi ; eram oriundos de Cumas. Omnes latini ab Alba oriundi ; todos os latinos são oriundos de Alba.

 

329. ABLATIVO DEPOIS DOS VERBOS. - O ablativo sem preposição serve de objeto indireto a muitos verbos que em português são regidos da preposição de, e que podemos reduzir às seguintes categorias:

 

1. Verbos que significam abundância ou carência: afficio, cumulo, augeo, orno, impleo, nudo, exonero, abundo, careo, egeo, indigeo, redundo, affluo, sendo que egeo, indigeo, compleo, e outros se constroem frequentemente com genitivo.

Ex.: Antiochiae, celebri quondam urbe et copiosa atque eruditissimis hominibus  liberalissimis que studiis affluenti ; em Anioquia, cidade célebre outrora e rica, que abundava em homens eruditíssimos e em estudos de humanidades.

Cumulare aras donis ; encher os altares de ofertas. Egeo consilii ; preciso de conselho.

 

2. Os verbos que significam livrar de, despojar de, preservar de, afastar de: libero, arceo, fraudo, intercludo, solvo, exsolvo, purgo, exuo, prohibeo, interdico, moveo, pello, etc.

Ex.: Muribus purgo domum ; limpo casa de ratos. Solutus omni cura ; livre de todo o cuidado.

 

3. Os verbos que significam trocar por: muto, permuto, commuto. Ex.: Giandem mutavit arista ; trocou a glande por trigo.

 

4. Os verbos que significam separar, distinguir de, afastar de, e outros verbos em cuja composição entra o prefixo português des-

pedem ablativo com preposição a ou ab: absterreo, deterreo,

secerno, separo, arceo, alieno, etc. Ex.: Secernant se a bonus ; separem-se dos bons.

 

5. Grande número de verbos compostos das preposições ab, de, ex, pela idéia de afastamento, proveniência, que envolvem, podendo estas acompanhar o ablativo.

Ex.: Consilio destitit atque eo itinere sese avertit ; desistiu do plano, e afastou-se daquele caminho. Decedere de via ; sair do caminho. Monte degrediens cum exercitu conspicitur ; é visto descer do monte com o exército. Caelo demissa ; mandada do céu.

A majoribus accepimus; soubemos dos antepassados.

 

6. Os verbos que exprimem um estado de alma - alegria ou tristeza: Laetor, gaudeo, moereo, doleo, glorior, etc. Ex.: Gaude tuo isto tam excellenti bono ; alegra-te com esse teu tão excelente dom.

 

7. Os verbos utor, servir-se de, fruor, gozar de, fungor, desempenhar-se de, potior, apoderar-se de, vescor, alimentar-se de, e, nos poetas, dignor. Potior pode ter acusativo e genitivo. Ex.: Fruere fortuna et gloria ; goza da fortuna e da glória. Haud equidem tali me dignor honore ; não me julgo digna de tamanha honra. Rerum potiri ; assenhorear-se do poder.

 

8. A expressão opus est  - é preciso, há necessidade de - quando empregada unipessoalmente, pede ablativo; empregada como predicativo, tem nominativo, permanecendo opus invariável.

Ex.: Mihi opus est calamo, ou calamus mihi opus est, tenho necessidade de uma caneta, ou, é-me necessária uma caneta. Dux nobis et auctor opus est ; é-nos preciso um guia e um conselheiro.

 

9. Quid verbis opus est? ; para que precisamos de palavras. Opus est consulto, facto, é preciso consultar-se, fazer-se. E outros particípios do pretérito.

 

330. Convém notar a dupla construção de certos verbos, como dono, circumdo, exuo, intercludo, os quais podem ter acusativo do objeto e dativo da pessoa, ou acusativo da pessoa e ablativo do objeto. Ex.: Circumdare murum civitati ou circumdare civitatem muro; cercar a cidade com um muro. Intercludere hosti commeatum ou intercludere hostem commeatu; impedir a chegada de víveres ao inimigo.

 

NOTA. - Tratando do genitivo, vimos que boa parte dos adjetivos que pedem este caso, podem igualmente construir-se com ablativo, como os que significam abundância, carência, afastamento, os partitivos, etc.

 

331. ABLATIVO COMO AGENTE DA PASSIVA. - O agente da passiva, que é o sujeito da voz ativa,  coloca-se no ablativo, com as preposições a ou ab, se o nome for de pessoas ou seres animados, sem preposição, se for de coisas. Ex.: Convincitur a testibus, urgetur confessione sua ; é convencido pelas testemunhas, e apertado pela sua própria confissão.

NOTA. - Falando do dativo, demos as exceções a esta regra. Convém notar que os prosadores pós-clássicos usam frequentemente o dativo como agente da passiva. Em Tácito encontra-se a cada passo: Militibus diligebatur, era amado pelos soldados. Os verbos empregados na voz passiva guardam a construção própria aos objetos diretos que conservarem da ativa. Ex.: Dedi vestem pauperi, dei um vestido ao pobre; dir-se-á na voz passiva: Vestis data est a me pauperi.

 

332. Usa-se o ablativo com a preposição a ou ab tratando-se de nomes de coisas, quando estas vêm de qualquer maneira personificadas: Ex.: Vinci a voluptate ; ser vencido pela voluptuosidade.

333. Há ainda certos verbos intransitivos que, tendo como que uma significação passiva, se constroem com o agente no ablativo.

 

Ex.: Jacent suis testibus ; jazem esmagados pelos seus próprios testemunhos. Perire ab aliquo, perecer vítima de alguém.

 

334. ABLATIVO COMPARATIVO. - Os comparativos orgânicos, postos geralmente em nominativo ou acusativo, , podem ter o segundo termo de comparação no ablativo. Ex.: Sol est major luna, o sol é maior que a lua. Opinione omnium majorem animo cepi dolorem ; sofri um abalo maior do que todos julgam.

 

335. Este ablativo pode mudar-se para outro caso, intervindo a conjunção quam, formando-se às vezes uma segunda oração; esta oração é necessária, quando o primeiro termo de comparação é regido por uma palavra que não rege o segundo. Ex.: Sol est major quam luna (est magna). Solem confirmant mathematici majorem esse quam terram ; os astrônomos provam ser o sol maior do que a terra. Vicinus tuus meliorem equum habet quam tuus est ; o teu vizinho tem um cavalo melhor do que o teu.

 

336. Aos advérbios tam, magis, minus, ou venham antes de um adjetivo, ou acompanhem um verbo, corresponde a conjunção quam, antes do segundo termo de comparação. Ex.: Magis temerarius quam fortis, mais atrevido do que valente. Nemini magis invideo quam fratri, a ninguém tenho mais ódio do que ao irmão.

 

337. Depois dos quantitativos plus, minus, amplius, subentende-se frequentemente quam.

Ex.: Apes numquam plus unum regem patiuntur (Sen.); as abelhas nunca toleram mais que um rei.

 

338. Depois de um comparativo, empregam-se os seguintes ablativos: solito, dicto, aequo, justo, spe, expectatione, opinione, etc. Ex.: Citius dicto, mais depressa do que fora dito.

Tristior solito, mais triste que de costume. Opinione major, maior do que se julga, etc.

 

339. Com um comparativo, os adjetivos neutros que exprimem quantidade põem-se no ablativo. Ex.: Virtus est multo pretiosior quam qurum, a virtude é muito mais preciosa do que o ouro. Tanto majore pecunia in stipendium opus erat ; tanto mais dinheiro se precisava para pagar o soldo.

 

340. Emprega-se o comparativo para exprimir um meio termo entre o positivo e o superlativo, equivalente às expressões portuguesas: um pouco mais, um tanto. Ex.: Themistocles liberius vivebat ; Temístocles vivia um pouco mais livremente. Senectus est natura loquacior ; a velhice é de si um tanto faladora

 

341. Usam-se expressões como estas: Felicior quam prudentior, mais feliz do que prudente; major sum quam ut, sou grande demais para; major quam pro, maior em proporção com.

Ex.: Major sum quam cui possit fortuna nocere ; sou grande demais para que a fortuna me possa fazer mal. Major romanis quam pro numero pugnantium jactura fuit ; a perda dos romanos foi grande demais em proporção com o número de combatentes.

 

342. ABLATIVO DE TEMPO. - A circunstância de tempo em que um acontecimento se dá , tempus quando,  exprime-se em ablativo. Ex.: Anno superiore, no ano passado. Hodierno die, no dia de hoje. Hora decima, às dez horas. Aestate, no verão.

 

343. O ablativo indica ainda daqui a quanto tempo uma coisa se fará: tribus diebus proficiscar; e o tempo desde que uma coisa se faz, se fazia ou foi feita; pode acompanhar o advérbio abhinc. Ex.: Decem ante annis, há dez anos. Abhinc decem annis (ou decem annos).

 

344. Temos ainda as expressões: Longo post intervallo, longo tempo depois; de nocte, muito de madrugada; ad tempus, no tempo aprazado; tertio quoque die, de três em três dias; in tempus, por um certo tempo; e outras.

NOTA. - a. Pelo que dissemos aqui, e pelo que deixamos dito ao tratar do acusativo, vê-se que estes dois casos, acusativo e ablativo, se auxiliam mutuamente, para exprimirem as várias

circunstâncias de tempo, a ponto de ser difícil estabelecer barreiras definitivas em que cada um deles deva conter-se. Reduzindo tudo a duas regras gerais: o ablativo responde à pergunta quando, em que tempo; e o acusativo à pergunta quandiu, por quanto tempo, sem excluir o ablativo, sobretudo em Tito Lívio.

b. Emprega-se in com ablativo, para designar o que dura sempre e se repete incessantemente. Ex.: in omni puncto temporis, a todo o momento. Na baixa latinidade abusa-se desta preposição. c. Para exprimir com mais exatidão o tempo quandiu, emprega-se frequentemente o acusativo com a preposição per ou intra. Intra ou per decem annos, no espaço de dez anos.

 

345. ABLATIVO DE DISTÂNCIA. - Além do acusativo, pode a distância exprimir-se também por ablativo. Ex.: Aesculapii templum quinque millibus passuum ab Epidauro distat ; o templo de Esculápio dista cinco mil passos de Epidauro.

NOTA. - Querem alguns autores que se empregue o ablativo, atendendo à distância a quo, desde o ponto de partida; e o acusativo, atendendo à distância ad quem, com relação ao termo que se tem em vista.

 

346. ABLATIVO DE COMPANHIA. - Exprime-se este adjunto em ablativo com a preposição cum, a qual se omite em certos casos, como mquando se trata de forças militares, com relação ao comandante. Ex.: Omnibus copiis profectus est ; partiu com todas as forças.

 

347. ABLATIVO DE INSTRUMENTO. - Ferire gladio, ferir com a espada. Canere cithara, tocar cítara.

 

348. DE CAUSA. - Incendi ira, abrasar-se em cólera. Praestare eloquentia, distinguir-se pela eloqüência. Hoc, eo, por isso.

 

349. DE MEIO. - Extollere aliquem honoribus, exaltar alguém com honrarias.

 

350. DE MODO. - Specie libera, livre na aparência. Cum temeritate, com temeridade.

 

351. DE PARTE. - Teneo lupum auribus, seguro um lobo pelas orelhas. Forma vincis, vences pela formusura.

 

352. ABLATIVOS DE PREÇO E DE PENA. - Emere magno, comprar caro. Damnare capite, condenar à morte.

 

353. ABLATIVO DE DIFERENÇA. - Duobus digitis major quam frater, dois dedos maior que o irmão, dois dedos de diferença. E as expressões: Nimio plus, mais que muito; pilo minus, menos que nada, que um pelo.

 

354. ABLATIVO ABSOLUTO OU ORACIONAL. - Coloca-se em ablativo a cláusula participial (particípio, ou adjetivo, e substantivo a que este se refere) cujo sujeito não faz parte da oração de que a dita cláusula depende como adjunto. Ex.: Oriente sole, tenebrae diffugiunt, nascendo o sol, (cláusula participial, podendo formar oração à parte, com sujeito diferente do da principal) as trevas fogem. O particípio não seria absoluto, ou separado, se o sujeito da cláusula participial fosse o mesmo da oração principal, como neste exemplo: Sol oriens tenebras fugat, o sol, nascendo, afugenta as trevas.

 

355. Podem entrar no ablativo absoluto os particípios do presente e os do pretérito, bem como certos adjetivos; mas, quando ocorre o particípio do verbo ser, omite-se em latim. Ex.: O fortunatam natam, me consule, Romam! ; ò afortunada Roma nascida, sendo eu cônsul. Sic est locutus, partibus factis, leo ; feitas as partes, assim falou o leão. Vivo patre, em vida do pai.

 

356. O ablativo absoluto exprime geralmente uma circunstância de tempo, de causa, de modo e até de instrumento; daí a razão lógica do emprego em tal caso. - Fácil será, pois, transformar um ablativo absoluto numa oração do modo finito, atendendo à circunstância que ele traduz, e ao modo e tempo em que a traduz. Exatamente como em português.

 

OBSERVAÇÕES

 

1. Dissemos que o ablativo tomou o lugar do instrumental, com o qual já se confundia primitivamente, para exprimir certos adjuntos, como o de modo e causa, tanto pela identidade da terminação, como pela função que desempenhava. Foi este caso muito usado no período ante-clássico; nos clássicos ainda se destaca por vezes do simples ablativo, sobretudo nas frases rituais, como esta: cum faciam vitula pro frugibus, ipse venito ; quando sacrificar uma novilha pelas searas, então virás; ter tibi fit libo, ter, dea casta, mero ; três vezes te oferecem sacrifício com fogaça, ò deusa pura, três vezes com vinho. Mesmo em Cícero, há certos ablativos, regidos da preposição a, que são reminiscências do instrumental. Ex.: nervos a quibus artus continentur, os tendões pelos quais estão ligados os membros. O caso instrumental existe no sânscrito; Quintiliano nos diz que os gramáticos ainda no seu tempo admitiam no grego e no latim a persistência deste caso. E explica com este exemplo: "Quando eu digo hasta percussi, não emprego o ablativo na sua significação própria". A verdade, porém, é que este caso é hoje um objeto de luxo filológico.

 

2. O advérbio procul constrói-se habitualmente com a preposição ab, sendo o ponto de afastamento expresso pelo substantivo: procul a mari, longe do mar. Mas, em Horácio, Tito Lívio e Tácito, encontra-se sem preposição: procul negotiis, procul oppido, sucedendo o mesmo com absum, visto a preposição ab estar expressa no verbo. Procul dubio, sem dúvida alguma, é uma locução adverbial.

 

3. Os verbos pluo, lapido, sudo, mano, que em geral exprimem fenômenos prodigiosos, constroem-se ordinariamente com ablativo instrumental. Ex.: In monte Albano lapidibus pluisse . Relatum in monumenta est lacte et sanguine pluisse .

 

CAPÍTULO VII.  LOCATIVO

 

357. Convém não confundir este caso com o genitivo, dativo e ablativo, como acontece de ordinário. Servia exclusivamente para indicar o adjunto de lugar. São bem conhecidas as expressões domi, em casa, ruri, no campo, humi, em terra. A este caso adscrevem os gramáticos o suposto genitivo animi, nas frases animi pendere, angi, horrescere, etc.

 

Os locativos da terceira declinação acabaram por confundir-se com o ablativo. Encontram-se, contudo, as formas em -i, como neste exemplo de Cícero: Corintho et Carthagini; bons gramáticos defendem, no entanto, que a forma Carthagini é o ablativo antiquado. Também se encontra o dativo indicando lugar: abditusque carceri (V. Paterculus); gramáticos antigos consideram o locativo ruri como dativo. A índole desta gramática não comporta longas discussões histórico-filológicas; por isso remetemos o leitor a tratados mais completos. Por uma simples questão de método, posta a idéia de lugar que o locativo encerra, conglobaremos aqui os adjuntos de lugar, em todas as suas modalidades, embora alheias a este caso.

 

358. CIRCUNSTÂNCIA UBI.- O adjunto de lugar onde (ubi), tratando-se de cidades, pequenas ilhas, vilas e aldeias, exprime-se em locativo, se o nome próprio é da 1a ou 2ª declinação e do singular; no ablativo, se o nome próprio pertence à 3a declinação ou se é do plural. Ex.: Romae, Lugduni, Babylone, Athenis natus, nascido em Roma, em Lião, em Babilônia, em Atenas.

 

359. Os outros nomes de lugar, sítios e regiões põe-se no ablativo com in. Ex.: Ambulat in horto, passeia no horto. Erat in Gallia, estava na Gália.

 

360. Usam-se os conhecidos locativos: domi, em casa, humi, em terra; em oposição a domi, temos belli, militiae, na guerra; ruri ou rure, no campo, e animi, no espírito.

 

361. Quando domus vai acompanhado de um adjetivo, coloca-se de preferência no ablativo: in domo aliqua; mas admite os seguintes adjetivos: meae, tuae, suae, nostrae, vestrae, alienae, e o genitivo restritivo de um nome. Ex.: Domi meae, em minha casa; domi Caesaris, em casa de César.

 

362. Como exceção à regra geral, encontram-se nomes de grandes ilhas em locativo: Cretae,  Cypri, ; da mesma sorte que nomes de regiões, de que há exemplos incontestáveis em bons autores. Ex.: Deinde Graeciae, sicut apud nos, delubra magnifica

consecrata sunt ; depois na Grécia, como entre nós, foram consagrados magníficos templos. Non Libiae, non ante Tyro ; nem na Líbia, nem antes de Tiro.

 

363. Se a um nome próprio de cidade, no locativo, se juntam, em aposição, as palavras urbs, oppidum, etc., estas se colocam em ablativo com in. Ex.: Constiterunt Albae, in urbe opportuna ; pararam em Alba, cidade bem situada.

 

364. Diziam: in urbe Roma; e in ipsa Alexandria, por causa do adjetivo que acompanha este último nome de cidade. Terra marique, por terra e por mar; dextra, à direita, laeva, à esquerda; tota Asia, em toda a Ásia. Os poetas suprimem facilmente a preposição.

 

365. CIRCUNSTÂNCIA UNDE. - O adjunto de lugar donde (unde) exprime-se em ablativo sem preposição, tratando-se de nomes de cidades ou de ilhas pequenas, e com as preposições a, ab, e, ex, tratando-se de nomes comuns ou de regiões. Ex.: Profectus est Roma, Babylone, Athenis, ex Italia, partiu de Roma, de Babilônia, de Atenas, da Itália.

 

366. Há ainda os locativos: humo, domo, rure; com nomes de cidades também se encontra a preposição ab. Ex.: Caesar ab Gergovia discessit (Ces.); César retirou-se da Gergóvia.

 

367. CIRCUNSTÂNCIA QUO. - O adjunto para onde (quo) exprime-se em acusativo sem preposição, tratando-se de nomes de cidades e pequenas ilhas, e, em geral, com preposição in, e às vezes ad. Ex.: Profectus est Romam, Babylonem, Athenas, in Galliam, partiu para Roma, para Babilônia, para Atenas, para a Gália.

 

368. Temos ainda: rus, para o campo; domum, para a casa; humum, para a terra. Em poesia omite-se frequentemente a preposição. Ex.: Italiam venit , veio à Itália.

 

369. CIRCUNSTÂNCIA QUA. - O adjunto de lugar por onde (qua) exprime-se em acusativo com a preposição per. Ex.: Inter feci per Galliam, per Lugdunum, passei pela Gália, por Lião.

 

370. O nome de uma porta, de uma rua, exprime-se em ablativo sem preposição. Ex.: Egressus est urbe, Capena porta, Sacra via, saiu de Roma pela porta Capena, pela via Sacra.

 

OBSERVAÇÕES

 

1. As regras gerais sobre as circunstâncias de lugar, como vimos, não são tão fixas, que não flutuem à vontade dos autores, sobretudo no período pós-clássico. Os poetas e os historiadores tomam liberdades que chegam a desorientar os gramáticos que pretendem reduzir o assunto a regras inflexíveis. É muito natural nos poetas a omissão das preposições, para efeitos métricos, como é natural nos prosadores o esquecerem-se da distinção entre nomes de cidades e de regiões, quando a função lógica da palavra é a mesma, num e noutro caso. É a tendência para a uniformidade que já notamos nas questões de tempo, até que a preposição nivele todas as diferenças, nas línguas novi-latinas. 2. Os poetas, com a liberdade que sempre lhes foi reconhecida, empregaram o dativo, em vez do acusativo de movimento.

Ex.: It clamor caelo ; um clamor sobe até ao céu. Spolia conjiciunt igni . Pelago suspecta dona praecipitare .

04
New Latin Grammar, Charles E. Bennett,  Chapter II.—Syntax of Nouns. Ablative : Paragraphs 213-232.
The Project Gutenberg EBook of  the New Latin Grammar of Charles Bennett.

 http://www.gutenberg.org/files/15665/15665-h/15665-h.htm#sect213

THE ABLATIVE.

213. The Latin Ablative unites in itself three cases which were originally distinct both in form and in meaning; viz.

The Ablative or from-case.

The Instrumental or with-case.

The Locative or where-case.

The uses of the Latin Ablative accordingly fall into Genuine Ablative uses, Instrumental uses, and Locative uses.

GENUINE ABLATIVE USES.

Ablative of Separation.

214. The Ablative of Separation is construed sometimes with, sometimes without, a preposition.

1. The following words regularly take the Ablative without a preposition:—

a) The Verbs of freeing: līberō, solvō, levō;

b) The Verbs of depriving: prīvō, spoliō, exuō, fraudō, nūdō;

c) The Verbs of lacking: egeō, careō, vacō;

d) The corresponding Adjectives, līber, inānis, vacuus, nūdus,

and some others of similar meaning.

Thus:—

cūrīs līberātus, freed from cares;

Caesar hostēs armīs exuit, Caesar stripped the enemy of their arms;

caret sēnsū commūnī, he lacks common sense;

auxiliō eget, he needs help;

bonōrum vīta vacua est metū, the life of the good is free from fear.

NOTE 1.—Yet Adjectives and līberō may take the preposition ab,—regularly so with the Ablative of persons; as,—

urbem ā tyrannō līberārunt, they freed the city from the tyrant.

NOTE 2.—Indigeō usually takes the Genitive. See § 212, 1, a.

2. Of Verbs signifying to keep from, to remove, to withdraw, some take the preposition, others omit it. The same Verb often admits both constructions. Examples:—

abstinēre cibō, to abstain from food;

hostēs fīnibus prohibuērunt, they kept the enemy from their borders;

praedōnēs ab īnsulā prohibuit, he kept the pirates from the island.

3. Other Verbs of separation usually take the Ablative with a Prepositon, particularly compounds of dis- and sē-; as,—

dissentiō ā tē, I dissent from you;

sēcernantur ā nōbīs, let them be separated from us.

4. The Preposition is freely omitted in poetry.

Ablative of Source.

215. The Ablative of Source is used with the participles nātus and ortus (in poetry also with ēditus, satus, and some others), to designate parentage or station; as,—

Jove nātus, son of Jupiter;

summō locō nātus, high-born (lit. born from a very high place);

nōbilī genere ortus, born of a noble family.

1. Pronouns regularly (nouns rarely) take ex; as,

ex mē nātus, sprung from me.

2. To denote remoter descent, ortus ab, or oriundus (with or without ab), is used; as,—

ab Ulixe oriundus, descended from Ulysses.

Ablative of Agent.

216. The Ablative accompanied by ā (ab) is used with passive verbs to denote the personal agent; as,—

ā Caesare accūsātus est, he was arraigned by Caesar.

1. Collective nouns referring to persons, and abstract nouns when personified, may be construed as the personal agent. Thus:—

hostēs ā fortūnā dēserēbantur, the enemy were deserted by Fortune;

ā multitūdine hostium mōntēs tenēbantur, the mountains were held by a multitude of the enemy.

2. Names of animals sometimes admit the same construction. Thus:—

ā canibus laniātus est, he was torn to pieces by dogs.

Ablative of Comparison.

217. 1. The Ablative is often used with Comparatives in the sense of than; as,—

melle dulcior, sweeter than honey;

patria mihi vītā cārior est, my country is dearer to me than life.

2. This construction, as a rule, occurs only as a substitute for quam (than) with the Nominative or Accusative. In other cases quam must be used; as,—

tuī studiōsior sum quam illīus, I am fonder of you than of him.

Studiōsior illō would have meant, I am fonder of you than he is.

Plūs, minus, amplius, longius are often employed as the equivalents of plūs quam, minus quam, etc. Thus:—

amplius vīgintī urbēs incenduntur, more than twenty cities are fired;

minus quīnque mīlia prōcessit, he advanced less than five miles.

3. Note the use of opīniōne with Comparatives; as,—

opīniōne celerius venit, he comes more quickly than expected (lit. than opinion).

INSTRUMENTAL USES OF THE ABLATIVE.

Ablative of Means.

218. The Ablative is used to denote means or instrument; as,—

Alexander sagittā vulnerātus est, Alexander was wounded by an arrow.

There are the following special varieties of this Ablative:—

1. Ūtor, fruor, fungor, potior, vescor, and their compounds take the Ablative; as,—

dīvitiīs ūtitur, he uses his wealth (lit. he benefits himself by his wealth);

vītā fruitur, he enjoys life (lit. he enjoys himself by life);

mūnere fungor, I perform my duty (lit. I busy myself with duty);

carne vescuntur, they eat flesh (lit. feed themselves by means of);

castrīs potītus est, he got possession of the camp (lit. made himself powerful by the camp).

a.. Potior sometimes governs the Genitive. See § 212, 2.

2. With opus est (rarely ūsus est), there is need; as,—

duce nōbīs opus est, we need a leader.

a. A Neuter Pronoun or Adjective often stands as subject with opus as predicate. Thus:—

hōc mihi opus est, this is necessary for me.

b. An ordinary substantive rarely stands as subject. Thus dux nōbīs opus est is a rare form of expression.

c. Note the occasional use of a perfect passive participle with opus est; as,—

opus est properātō, there is need of haste.

3. With nītor, innīxus, and frētus; as,—

nītitur hastā, he rests on a spear (lit. supports himself by a spear);

frētus virtūte, relying on virtue (lit. supported by virtue).

4. With continērī, cōnsistere, cōnstāre, consist of; as,—

nervīs et ossibus continentur, they consist of sinews and bones (lit. they are held together by sinews and bones);

mortālī cōnsistit corpore mundus, the world consists of mortal substance (lit. holds together by means of, etc.).

6. In expressions of the following type:—

quid hōc homine faciās, what can you do with this man?

quid meā Tulliolā fīet, what will become of my dear Tullia? (lit. what will be done with my dear Tullia?)

7. In the following special phrases at variance with the ordinary English idiom:—

proeliō contendere, vincere, to contend, conquer in battle;

proeliō lacessere, to provoke to battle;

currū vehī, to ride in a chariot;

pedibus īre, to go on foot;

castrīs sē tenēre, to keep in camp.

8. With Verbs of filling and Adjectives of plenty; as,—

fossās virgultīs complērunt, they filled the trenches with brush.

a. But plēnus more commonly takes the Genitive. See § 204, 1.

9. Under 'Means' belongs also the Ablative of the Way by Which; as,—

vīnum Tiberī dēvectum, wine brought down (by) the Tiber.

10. The means may be a person as well as a thing. Thus:—

mīlitibus ā lacū Lemannō ad montem Jūram mūrum perdūcit, with (i.e. by means of) his troops he runs a wall from Lake Geneva to Mt. Jura.

Ablative of Cause.

219. The Ablative is used to denote cause; as,—

multa glōriae cupiditāte fēcit, he did many things on account of his love of glory.

1. So especially with verbs denoting mental states; as, dēlector, gāudeō, laetor, glōrior, fīdō, cōnfīdō. Also with contentus; as,—

fortūnā amīcī gaudeō, I rejoice at the fortune of my friend (i.e. on account of it);

victōriā suā glōriantur, they exult over their victory;

nātūrā locī cōnfīdēbant, they trusted in the character of their country (lit. were confident on account of the character).

a. fīdō and cōnfīdō always take the Dative of the person (§ 187, II, a); sometimes the Dative of the thing.

2. As Ablatives of Cause are to be reckoned also such Ablatives as jussū, by order of, injussū, without the order, rogātū, etc.

Ablative of Manner.

220. The Ablative with cum is used to denote manner; as,—

cum gravitāte loquitur, he speaks with dignity.

1. The preposition may be absent when the Ablative is modified by an adjective; as,—

magnā gravitāte loquitur, he speaks with great dignity.

2. The preposition is regularly absent in the expressions jūre, injūriā, jocō, , fraude, voluntāte, fūrtō, silentiō.

3. A special variety of the Ablative of Manner denotes that in accordance with which or in pursuance of which anything is or is done. It is generally used without a preposition. Thus:—

meā sententiā, according to my opinion;

suīs mōribus, in accordance with their custom;

suā sponte, voluntarily, of his (their) own accord;

eā condiciōne, on these terms.

Ablative of Attendant Circumstance.

221. The Ablative is often used to denote an attendant circumstance of an action or an event; as,—

bonīs auspiciīs, under good auspices;

nūlla est altercātiō clāmōribus umquam habita majōribus, no debate was ever held under circumstances of greater applause;

exstinguitur ingentī lūctū prōvinciae, he dies under circumstances of great grief on the part of the province;

longō intervāllō sequitur, he follows at a great distance.

Ablative of Accompaniment.

222. The Ablative with cum is used with verbs of motion to denote accompaniment; as,—

cum comitibus profectus est, he set out with his attendants;

cum febrī domum rediit, he returned home with a fever.

1. In military expressions the Ablative may stand without cum when modified by any adjective except a numeral; as,—

omnibus cōpiīs, ingentī exercitū, magnā manū; but usually cum exercitū, cum duābus legiōnibus.

Ablative of Association.

222A. The Ablative is often used with verbs of joining, mixing, clinging, exchanging; also with assuēscō, cōnsuēscō, assuēfaciō, and some others to denote association; as,—

improbitās scelere jūncta, badness joined with crime;

āēr calōre admixtus, air mixed with heat;

assuētus labōre, accustomed to (lit. familiarized with) toil;

pācem bellō permūtant, they change peace for (lit. with) war.

Ablative of Degree of Difference.

223. The Ablative is used with comparatives and words involving comparison (as post, ante, īnfrā, suprā) to denote the degree of difference; as,—

dimidiō minor, smaller by a half;

tribus pedibus altior, three feet higher;

paulō post, a little afterwards;

quō plurā habēmus, eō cupimus ampliōra, the more we have, the more we want.

Ablative of Quality.

224. The Ablative, modified by an adjective, is used to denote quality; as,—

puella eximiā fōrmā, a girl of exceptional beauty;

vir singulārī industriā, a man of singular industry.

1. The Ablative of Quality may also be used predicatively; as,—

est magnā prūdentiā, he is (a man) of great wisdom;

bonō animā sunt, they are of good courage.

2. In place of the Adjective we sometimes find a limiting Genitive; as,—

sunt speciē et colōre taurī, they are of the appearance and color of a bull,

3. In poetry the Ablative of Quality sometimes denotes material; as,—

scopulīs pendentībus antrum, a cave of arching rocks.

Ablative of Price.

225. With verbs of buying and selling, price is designated by the Ablative; as—

servum quīnque minīs ēmit, he bought the slave for five minae.

1. The Ablatives magnō, plūrimō, parvō, minimō (by omission of pretiō) are used to denote indefinite price; as,—

aedēs magnō vēndidīt, he sold the house for a high price.

2. For the Genitive of Indefinite Price, see § 203, 4.

Ablative of Specification.

226. The Ablative of Specification is used to denote that in respect to which something is or is done; as,—

Helvētiī omnibus Gallīs virtūte praestābant, the Helvetians surpassed all the Gauls in valor;

pede claudus, lame in his foot.

1. Note the phrases:—

major nātū, older (lit. greater as to age);

minor nātū, younger.

2. Here belongs the use of the Ablative with dignus, worthy, indignus, unworthy, and dignor, deem worthy of; as,—

dignī honōre, worthy of honor (i.e. in point of honor);

fidē indignī, unworthy of confidence;

mē dignor honōre, I deem myself worthy of honor.

Ablative Absolute.

227. The Ablative Absolute is grammatically independent of the rest of the sentence. In its commonest form it consists of a noun or pronoun limited by a participle; as,—

urbe captā, Aenēās fūgit, when the city had been captured, Aeneas fled (lit. the city having been captured).

1. Instead of a participle we often find an adjective or noun; as,—

vīvō Caesare rēs pūblica salva erat, while Caesar was alive the state was safe (lit. Caesar being alive);

Tarquiniō rēge, Pythagorās in Italiam vēnit, in the reign of Tarquin Pythagoras came into Italy (lit. Tarquin being king);

Cn. Pompejō, M. Crassō cōnsulibus, in the consulship of Gnaeus Pompey and Marcus Crassus (lit. P. and C. being consuls).

2. The Ablative Absolute is generally used in Latin where in English we employ subordinate clauses. Thus the Ablative Absolute may correspond to a clause denoting—

a) Time, as in the foregoing examples.

b) Condition; as,—

omnēs virtūtēs jacent, voluptāte dominante, all virtues lie prostrate, if pleasure is master.

c) Opposition; as,—

perditīs omnibus rēbus, virtūs sē sustentāre potest, though everything else is lost, yet Virtue can maintain herself.

d) Cause; as,—

nūllō adversante rēgnum obtinuit, since no one opposed him, he secured the throne.

e) Attendant circumstance; as,—

passīs palmīs pācem petīvērunt, with hands outstretched, they sued for peace.

3. An Infinitive or clause sometimes occurs in the Ablative Absolute construction, especially in Livy and later writers; as,—

audītō eum fūgisse, when it was heard that he had fled.

4. A noun or pronoun stands in the Ablative Absolute construction only when it denotes a different person or thing from any in the clause in which it stands. Exceptions to this principle are extremely rare.

LOCATIVE USES OF THE ABLATIVE.

Ablative of Place.

A. Place where.

228. The place where is regularly denoted by the Ablative with a preposition; as,—

in urbe habitat, he dwells in the city.

1. But certain words stand in the Ablative without a preposition; viz.

a) Names of towns,—except Singulars of the First and Second Declensions (see § 232, 1); as,—

Carthāginī, at Carthage;

Athēnis, at Athens;

Vejīs, at Veii.

b) The general words locō, locīs, parte; also many words modified by tōtus or even by other Adjectives; as,—

hōc locō, at this place;

tōtīs castrīs, in the whole camp.

c) The special words: forīs, out of doors; rūrī, in the country, terrā marīque, on land and sea.

d) The poets freely omit the preposition with any word denoting place; as,—

stant lītore puppēs, the sterns rest on the beach.

B. Place from which.[50]

229. Place from which is regularly denoted by the Ablative with a preposition; as,—

ab Italiā profectus est, he set out from Italy;

ex urbe rediit, he returned from the city.

1. But certain words stand in the Ablative without a preposition; viz.

a) Names of towns and small islands; as,—

Rōma profectus est, he set out from Rome;

Rhodō revertit, he returned from Rhodes.

b) domō, from home; rūre, from the country.

c) Freely in poetry; as,—

Italiā dēcessit, he withdrew from Italy.

2. With names of towns, ab is used to mean from the vicinity of, or to denote the point whence distance is measured; as,—

ā Gergoviā discessit, he withdrew from the vicinity of Gergovia;

ā Rōmā X mīlia aberat, he was ten miles distant from Rome.

Urbe and oppidō, when standing in apposition with a town name, are accompanied by a preposition; as,—

Curibus ex oppidō Sabīnōrum, from Cures, a town of the Sabines

Ablative of Time.

A. Time at which.

230. The Ablative is used to denote the time at which; as,—

quārtā hōrā mortuus est, he died at the fourth hour;

annō septuāgēsimō cōnsul creātus, elected consul in his seventieth year.

1. Any word denoting a period of time may stand in this construction, particularly annus, vēr, aestās, hiems, diēs, nox, hōra, comitia (Election Day), lūdī (the Games), etc.

2. Words not denoting time require the preposition in, unless accompanied by a modifier. Thus:—

in pāce, in peace; in bellō, in war;

but secundō bellō Pūnicō, in the second Punic War.

3. Expressions like in eō tempore, in summa senectūte, take the preposition because they denote situation rather than time.

B. Time within which.

231. Time within which is denoted by the Ablative either with or without a preposition; as,—

stella Sāturnī trīgintā annīs cursum cōnficit, the planet Saturn completes its orbit within thirty years;

ter in annō, thrice in the course of the year.

1. Occasionally the Ablative denotes duration of time; as,—

bienniō prōsperās rēs habuit, for two years he had a prosperous administration.

THE LOCATIVE.

232. The Locative case occurs chiefly in the following words:—

1. Regularly in the Singular of names of towns and small islands of the first and second declensions, to denote the place in which; as,—

Rōmae, at Rome;

Corinthī, at Corinth;

Rhodī, at Rhodes.

2. In the following special forms:—

domī, at home;

humī, on the ground;

bellī, in war;

mīlitiae, in war;

vesperī, at evening;

herī, yesterday.

3. Note the phrase pendēre animī, lit. to be in suspense in one's mind.

4. For urbs and oppidum in apposition with a Locative, see § 169, 4.


Ċ
Darcy Carvalho,
7 de ago de 2014 14:14
Comments