01 Subsídios para o Estudo do Pensamento Econômico Brasileiro no Século XX. Arquivos e Links.

SUBSIDIA FOR THE STUDY OF THE BRAZILIAN ECONOMIC THOUGHT IN THE TWENTIETH CENTURY. PROF. DR. DARCY CARVALHO. FEAUSP. SÃO PAULO. BRAZIL

Subsidíos para o estudo do pensamento econômico brasileiro no século XX.

INTRODUÇÃO. CONSIDERAÇÕES HISTÓRICAS PRELIMINARES


O POSITIVISMO NO BRASIL

A BASE FILOSÓFICA DO PENSAMENTO ECONÔMICO BRASILEIRO NA ERA REPUBLICANA É O POSITIVISMO E O INDUSTRIALISMO  DE SAINT-SIMON E AUGUSTE COMTE.

«Conhecer o positivismo é particularmente importante aos brasileiros, devido à grande influência que esta escola filosófica exerceu no país na virada dos séculos 19 e 20.  O objetivo da filosofia de Comte é a ordem e o progresso, lema inscrito na bandeira brasileira adotada após a proclamação da República. As ideias de Comte, em especial através dos pensadores Miguel Lemos (1854-1917), Teixeira Mendes (1855-1927) e do militar Benjamin Constant (1836-1891), se impuseram aos círculos republicanos brasileiros, contribuindo para nortear a nova ordem social republicana, em especial nos governos Deodoro da Fonseca e Floriano Peixoto». Antonio Carlos Olivieri, Da Página 3 Pedagogia & Comunicação, escritor, jornalista e diretor da Página 3 Pedagogia & Comunicação.


ACERVO DE AUGUSTO COMTE NA BIBLIOTECA NACIONAL DO BRASIL


«Ao passo que Hume constitui meu principal precursor filosófico, Kant se acha a êle acessoriamente ligado; a concepção fundamental deste não foi verdadeiramente sistematizada e desenvolvida senão pelo positivismo. Do mesmo modo, sob o aspecto político, foi necessário que eu completasse Condorcet por De Maistre, de quem assimilei, logo no começo de minha carreira, todos os princípios essenciais, que não são mais agora apreciados senão na escola positiva. Tais são, com Bichat e Gall, como precursores científicos, os seis precedessores imediatos que hão de me religar sempre aos três pais sistemáticos da verdadeira, filosofia moderna, Bacon, Descartes e Leibnitz. Em virtude desta nobre filiação, a idade-média, intelectualmente resumida por Santo Tomás de Aquino, Rogério Bacon, e Dante, subordina-me diretamente ao príncipe eterno dos verdadeiros pensadores, o incomparável Aristóteles.»  AUGUSTO COMTE


01 Subsidia / Subsidíos para o estudo do pensamento econômico brasileiro.

Title: “INTRODUÇÃO: ENSAIOS SOBRE A ECONOMIA BRASILEIRA, 1822-1972."  Authors: Dênio Nogueira, e Carlos Manuel Peláez, Economistas da F. G. V.  Source:   Revista Brasileira de Economia. Fundação Getúlio Vargas. Rio de Janeiro . Jul/Set 1972. Vol. 26(3) 11-83.

Theme:   Uma análise critica das principais tendências da pesquisa sobre a Economia Brasileira nos últimos 150 anos. An analysis of the Brazilian economy and economic policies, from the independence of Brazil from Portugal, proclamed by D. Pedro I in 1822, until 1972, being President of the Rebublic, Gen. Emilio Garratazu Medici.  Key words:


https://archive.org/details/01Introducao.EnsaiosSobreAEconomiaBrasileira1822-1972.DenioNogueiraE


http://archive.org/search.php?query=creator%3A%22DARCY%20CARVALHO%22&sort=-downloads


02=  Subsidia / Subsídios para o estudo do pensamento econômico brasileiro.

Title: " NOTAS SOBRE A ECONOMIA BRASILEIRA DESDE A PROCLAMAÇÃO DA REPÚBLICA ATÉ OS NOSSOS DIAS." Author: Eugênio Gudin (1886-986), Economista da F. G. V.  Source:   Revista Brasileira de Economia, Fundação Getulio Vargas, Jul/Set 1972.Vol. 26(3)   Theme:   Pensamento Economico Brasileiro 1889-1972, Brazilian Economic Thought 1889-1972, Eugenio Gudin , Revista Brasileira de Economia Jul/Set 1972. Key words:    O café, a industrialização substitutiva de importações, a inflação do pós-guerra, a nacionalização, a redenção da indústria nacional e as exportações.  Download 0


http://archive.org/search.php?query=creator%3A%22DARCY%20CARVALHO%22&sort=-downloads


https://archive.org/details/02notasSobreAEconomiaBrasileiraDesdeAProclamacaoDaRepublicaAteOs

03= Subsidia / Subsidíos para o estudo do pensamento econômico brasileiro.

Title: “UMA PERSPECTIVA A LONGO PRAZO DO DESENVOLVIMENTO E DO SUBDESENVOLVIMENTO BRASILEIROS." Author: Nathaniel H. Leff,  Getulio Vargas Foundation , Columbia University.  Source:   Revista Brasileira de Economia, Fundação Getúlio Vargas. Rio De Janeiro . Jul/Set 1972. Vol. 26(3) 147-168: Edição especial comemorativa do Sesquicentenário da Independência do Brasil. Theme:   Uma perspectiva de longo prazo do desenvolvimento e do subdesenvolvimento brasileiros, examinando o impacto da dependência e do imperialismo no desenvolvimento econômico .  Key words:   Impacto da dependência, imperialismo e desenvolvimento econômico,  desenvolvimento e subdesenvolvimento, dependência e imperialismo, condiçoes da industrialização brasileira.                                     Download 

https://archive.org/details/03UmaPerspectivaALongoPrazoDoDesenvolvimentoEDoSubdesenvolvimento

https://ia600503.us.archive.org/0/items/03UmaPerspectivaALongoPrazoDoDesenvolvimentoEDoSubdesenvolvimento/UmaPerspectivaALongoPrazoDoDesenvolvimentoEDoSubdesenvolvimentoBrasileiro.pdf

04=  Subsidia /Subsidíos para o estudo do pensamento econômico brasileiro.

Title:    “A TRADIÇÃO MERCANTILISTA NA FORMAÇÃO BRASILEIRA”  Author:   José Arthur Rios. Source:   Revista Brasileira de Economia, Fundação Getulio Vargas. Rio de Janeiro . Jul/Set 1972. Vol. 26(3) 255-272. Edição especial comemorativa do sesquicentenario da independencia do Brasil.

Theme:    De 1500 a 1822 , i.e, do periodo colonial à independencia o Brasil foi uma economia mercantilista, e como tal caracterizada por intervenção do estado, monopolismo e protecionismo, fatores de unificação territorial e monetária e de imobilidade economica. As politicas e o comportamento economicos brasileiros explicam-se por seu passado mercantilista. Key words:   Pensamento economico brasileiro , Brazilian economic thought, Jose Arthur Rios, nacionalismo, metalismo, supremacia das exportações, doutrina mercantilista, isolamento social, ausencia de mundivivencia, companhias de comercio, monopolio do comercio, supressao de oficios e cultivos, monocultura, desimportancia do mercado urbano, planificações economicas.                            

https://ia700506.us.archive.org/27/items/ATradicaoMercantilistaNaFormacaoBrasileira.JoseArthurRios/ATradioMercantilistaNaFormaoBrasileira.pdf


05=  Subsidia / Subsidíos para o estudo do pensamento econômico brasileiro.

 

Title: ”METROPOLE  E HINTERLANDIA NA HISTORIA DAS FINANÇAS.” Author: Rondo Cameron.  Source: Revista Brasileira de Economia. Vol.26(3) 273-301.

Theme:


https://archive.org/details/MetropoleEHinterlandiaNaHistoriaDasFinancas.AuthorRondoCameron


http://archive.org/search.php?query=creator%3A%22DARCY%20CARVALHO%22&sort=-downloads

 

06=  Subsidia / Subsidíos para o estudo do pensamento econômico brasileiro.

Title:    “ECONOMIA E HISTORIA: O ENCONTRO ENTRE OS DOIS CAMPOS DO CONHECIMENTO”  Authors: Nicia Vilela da Luz e Carlos Manuel Peláez.

Source: Revista Brasileira de Economia. Vol.26(3) 273-301.

Theme:  Keywords:

https://ia600405.us.archive.org/24/items/EconomiaEHistoriaOEncontroEntreOsDoisCamposDoConhecimento/EconomiaEHistriaOEncontroEntreOsDoisCamposDeConhecimento.pdf


07= Subsidia / Subsidíos para o estudo do pensamento econômico brasileiro.

Title: "DO ISEB E DA CEPAL À TEORIA DA DEPENDÊNCIA". Author : Dr. Luiz Carlos Bresser Pereira, Fundação Getúlio Vargas, São Paulo. Source: Luiz Carlos Bresser-Pereira. Paper publicado em Caio Navarro de Toledo, org.(2005) Intelectuais e Política no Brasil: A Experiência do ISEB. São Paulo: Editora Revan: 201-232, 32 páginas. Theme: Desenvolvimento Econômico, historia do pensamento econômico brasileiro e latino-americano, Keywords: ISEB, CEPAL, Teoria da Dependencia , desenvolvimento econômico. 

http://www.bresserpereira.org.br/view.asp?cod=1534

08= Subsidia/ Subsídios para o Estudo do Pensamento Econômico Brasileiro.

 ROBERTO CAMPOS

    http://pt.wikipedia.org/wiki/Roberto_Campos#Como_autor  

    http://pt.wikiquote.org/wiki/Roberto_Campos

Title: DISCURSO DE POSSE NA ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS. Author:   Roberto Campos, Economista Brasileiro, Diplomata, Professor.  Source: Academia Brasileira de Letras, Rio de Janeiro RJ.  Thema: Biografia, Bibliografia e Atividades de Roberto Campos no Campo Econômico, Summing-up do Século XX, na Virada do Milênio. Download 09

Roberto Campos (1917-2001). Economista Brasileiro, Diplomata e Professor. Discurso de Posse,  na Academia Brasileira de Letras. Biografia. Bibliografia.      Source:       

 http://www.academia.org.br/abl/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=238&sid=232

 Roberto de Oliveira Campos, economista, diplomata e professor, nasceu em Cuiabá, Mato Grosso, em 17 de abril de 1917 e faleceu no dia 09 de outubro de 2001, no Rio de Janeiro, RJ.  Biografia( De Rebus Gestarum),  Bibliografia,  Discurso de Posse na Academia Brasileira de Letras. Source: Academia Brasileira de Letras. Av. Presidente Wilson 203, Castelo | CEP 20030-021 | Rio de Janeiro | RJ Tel: (21) 3974-2500 | E-mail: academia  @  academia.org.br

Cito: >> NA VIRADA DO MILÊNIO. Roberto Campos no Discurso de Posse<<

‘Espera-se de um economista que diga algo sobre perspectivas econômicas. Hesito em fazê-lo, não só porque é perigoso profetizar (especialmente sobre o futuro), como porque minha profissão não está em odor de santidade. Diz o populacho que nossos prognósticos são ainda menos confiáveis que as previsões meteorológicas do INPE e que quem acredita nos planejadores econômicos deveria olhar para o camelo: "é um cavalo desenhado por um comitê de economistas". Chego a esta Academia em fim de século e começo de milênio. 

Este século foi o pior dos séculos. Este século foi o melhor dos séculos… Foi o pior dos séculos porque, em duas guerras mundiais e em conflitos ideológicos, religiosos, raciais e tribais, estima-se que pereceram cerca de 170 milhões de pessoas. Mais que o total de mortos em guerras, desastes e pestes desde o começo da história humana. E foi também o melhor dos séculos, porque nele houve coisas milagrosas:

- A descoberta do segredo do átomo (para o bem ou para o mal);

- A descoberta do segredo da vida (a dupla hélice);

- A morte da distância e o encurtamento do tempo;

- A escapulida de nossa prisão orbital, para bolinarmos outros planetas e, quiçá, estrelas;

- O rompimento, por centenas de milhões de pessoas, dos grilhões da pobreza ancestral.

A pobreza deixou de ser uma fatalidade, para se tornar o subproduto de opções erradas e os desvios de comportamento. Conhece-se, hoje, a grande síntese do crescimento: estabilidade de preços na macroeconomia; competição na microeconomia; abertura internacional; e investimentos massiços no capital humano. "De nada valem a torre nem a nave", dizia Sófocles, "sem o homem".

A sociedade do próximo milênio será uma sociedade globalizada e digitalizada. Ignorar essas coisas seria auto-mutilação. Nossa linguagem girará em termos de bits, muito mais que de "átomos". Na era digital, até os "literatos" terão de virar "digeratos".

A primeira coisa a fazer-se no Brasil é abandonarmos a chupeta das utopias em favor da bigorna do realismo. É tempo de balanço e autocrítica. E, sobretudo, de ginástica institucional, a fim de nos prepararmos para a quarta onda de crescimento do pós-guerra, que provavelmente advirá na primeira década do milênio, apoiada em três revoluções tecnológicas:

- A revolução da Internet, que eliminará vários constrangimentos de tempo e espaço;

- A revolução da engenharia genética, que depois do facasso da engenharia social em reformar o homem moral, pode ter sucesso na reformatação do homem físico;

- A revolução da nano-tecnologia que, pela miniaturização, substituirá nos produtos, cada vez mais o insumo físico pelo insumo cognitivo.

Para a minha geração, confiante em que o Brasil chegaria ao ano 2000 não como país emergente e sim como grande potência, forte e justa, este fim de século é melancólico. Estamos ainda longe demais da riqueza atingível, e perto demais da pobreza corrigível. Minha geração falhou. Confiteor.

Agradeço aos benévolos confrades terem aceito em sua grei uma personalidade controvertida. Prometo-vos, em verdade vos prometo, agir como os mulçumanos que descalçam suas sandálias na porta da mesquita, para não contaminá-la com a poeira, o barro e o estrume das ruas. Descalçarei minhas botas ideológicas nos umbrais desta Casa. E aqui obedecerei fielmente à regra de Joaquim Nabuco, em seu discurso inaugural de secretário geral, na sessão de 20 de julho de 1897:

"Eu confio, disse ele, que sentiremos todos o prazer de concordar em discordar; essa desinteligência essencial é a condição da nossa utilidade, o que nos preservará da uniformidade acadêmica. Mas o desacordo tem também o seu limite, sem o que começaríamos logo por uma dissidência".  Roberto Campos no Discurso de Posse,  na Academia Brasileira de Letras.’ FINIS CITATIONIS

ROBERTO CAMPOS. BIBLIOGRAFIA SUMÁRIA

Roberto de Oliveira Campos, economista, diplomata e professor, nasceu em Cuiabá, Mato Grosso, em 17 de abril de 1917 e faleceu no dia 09 de outubro de 2001, no Rio de Janeiro, RJ.

 Em seu mais comentado livro, A LANTERNA NA POPA, fez uma auto-avaliação da trajetória como diplomata, economista e parlamentar, descrevendo detalhes da convivência com John Kennedy, Margareth Thatcher, Castelo Branco, Juscelino Kubitschek, João Goulart e Jânio Quadros.

TRABALHOS PUBLICADOS:

Artigos técnicos, relatórios sobre desenvolvimento e economia internacional, publicados em várias revistas e jornais.

LIVROS:

- Economia, Planejamento e Nacionalismo - APEC Editora S.A. (1963).

- Ensaios de História Econômica e Sociologia - APEC Editora S.A. (1964).

- A Moeda, o Governo e o Tempo - APEC Editora S.A. (1964).

- Política Econômica e Mitos Políticos - APEC Editora S.A (1965).

- A Técnica e o Riso - APEC Editora S.A (1967).

- Reflections on Latin American Development - University of Texas Press (1967).

- Do Outro Lado da Cerca - APEC Editora S.A (1968).

- Ensaios Contra a Maré - APEC Editora S.A (1969)

- Temas e Sistemas - APEC Editora S.A (1970).

- Função da Empresa Privada - Gráfica Editora Rainha Lescal Ltda. (1971).

- O Mundo que Vejo e não Desejo - José Olympio Editora (1976).

- Além do cotidiano - Editora Record (1985).

- Ensaios Imprudentes - Editora Record (1987).

- Guia para os Perplexos - Editora Nórdica (1988).

- O Século Esquisito - Editora Topbooks (1990).

- Reflexões do Crepúsculo - Editora Topbooks (1991).

- A Lanterna na Popa (Memórias) - Editora Topbooks (1994).

- Antologia do Bom Senso - Editora Topbooks (1996).

- Na virada do Milênio (Ensaios) - Editora Topbooks (1998).

Co-autor:

- Trends in International Trade (Relatório do GATT).

- Partners in Progress (Relatório do Comitê Pearson do Banco Mundial).

- A Nova Economia Brasileira (com M.H. Simonsen) - José Olympio Editora (1974).

- Formas Criativas no Desenvolvimento Brasileiro (com M.H. Simonsen) - APEC Editora S.A. (1975). Atividades Profissionais:

Conselheiro Econômico da Comissão de Desenvolvimento Econômico Brasil-Estados Unidos (1951 / 1953).

Diretor, Gerente Geral e Presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico (1952 / 5 / 9).

Secretário-geral do Conselho de Desenvolvimento Econômico (1956 / 1959).

Professor das cadeiras de Moeda e Crédito e Conjuntura Econômica da Faculdade de Economia, Universidade do Brasil (1956 / 1961).

Embaixador itinerante para negociações financeiras na Europa Ocidental (1961).

Delegado a Conferências internacionais, inclusive ECOSOC e GATT (1959 / 1961).

Embaixador do Brasil nos Estados Unidos (1961 / 1961).

Ministro de Estado para o Planejamento e Coordenação Econômica (1964 / 1967).

Membro do Comitê Interamericano para a Aliança para o Progresso, representando o Brasil, Equador e Haiti (1964 / 1967).

Presidente do Conselho Interamericano de Comércio e Produção (CICYP) (1968 / 1970).

Embaixador do Brasil na Corte de Saint James (1975 / 1982).

Senador da República, representando o Estado de Mato Grosso (1983 / 1990).

Deputado Federal pelo Estado do Rio de Janeiro, eleito em outubro de 1990 e reeleito em 15 de novembro de 1994.

Membro da Junta de Governadores do Centro de Pesquisas de Desenvolvimento Internacional (Canadá).

Membro da Junta de Diretores da Fundação de Recurso para o Futuro (USA).

Membro do Grupo dos Trinta, sobre reforma monetária (USA).

Membro do Conselho consultivo do Instituto de Estudos Internacionais da Universidade de Stanford (USA).

Presidente do Conselho Municipal de Desenvolvimento - COMUDES - da Cidade do Rio de Janeiro (1999).

Membro do Conselho de Administração do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES (1999). FINIS CITATIONIS. PROF. DR. DARCY CARVALHO. USP. FEA. 2014

Ler  Artigos e Entrevistas de Roberto Campos,  Período de 1/1/1994 a 27/2/2000,  excluída a tese de 1947 e algumas entrevistas,  num  total de  287 artigos e entrevistas, na  fonte:  Site Pensadores Brasileiros .

http://pensadoresbrasileiros.home.comcast.net/~pensadoresbrasileiros/RobertoCampos/      


10 Subsidia / Subsidios para o Estudo do Pensamento Economico Brasileiro

Title: “POLITICA INDUSTRIAL: TEORIA E PRATICA NO BRASIL E NA OCDE."  Authors: Fabio S. Erber,  e José Eduardo Cassiolato, Economistas do Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro.  Source:  Revista de Economia. Vol. 17, num. 2 (66) Abril/ Jun,1997, 29 paginas. Theme:   Estudo comparativo das politicas industriais do Brasil, Alemanha, Japao, UK, e USA, nos 15 anos anteriores a 1997, num  contexto teorico politico cabiante, caracterizado por quatro agendas: ultra liberal, liberal reformista, neodesenvolvimentista e social democrata.Estuda a evolucao industrial e tecnologica do Brasil nas decadas dos oitenta e noventa. The paper compares the industrial policy of Brazil with those of four main OCDE countries. Download









































   
                                          


Ċ
Darcy Carvalho,
21 de jan de 2014 10:47
Ċ
Darcy Carvalho,
21 de jan de 2014 10:48
Ċ
Darcy Carvalho,
21 de jan de 2014 10:58
Ċ
Darcy Carvalho,
21 de jan de 2014 10:31
Ċ
Darcy Carvalho,
21 de jan de 2014 10:33
Ċ
Darcy Carvalho,
21 de jan de 2014 11:00
Ċ
Darcy Carvalho,
21 de jan de 2014 10:59
Comments